Produção Científica: O Aluno Protagonista


Autoras do Projeto de Pesquisa - 9º Ano da EMEFM Emílio Amadei Beringhs (Taubaté)

As transformações ocorridas na sociedade como o avanço da ciência e da tecnologia, ampliação das informações, valorização da economia e alterações nas políticas sociais, entre outras, vão refletir de alguma forma no contexto escolar visto que influenciam nas concepções adotadas pela escola, no papel dos professores, nas tendências pedagógicas, na metodologia, no currículo e no que se refere ao papel do aluno em sala de aula, exigindo diferentes posturas e atitudes em relação à forma de aprender para que se tornem sujeitos atuantes no processo e não simples reprodutores do conhecimento

Deste modo, propomos a relação da Educação Científica na valorização do patrimônio cultural e histórico, promovendo assim a própria Educação Patrimonial, oportunizando assim uma reflexão sobre o papel da escola, como espaço de transmissão e reprodução cultural, além de exercer a função mediador para a promoção na busca da autonomia do aluno

“[...] facilitar e estimular a participação ativa e crítica dos alunos/as nas diferentes tarefas que se desenvolvem na aula e que constituem modo de viver da comunidade democrática de aprendizagem” (PÉREZ GÓMEZ, 1998, p.26)

Isso quer dizer que cabe a escola oportunizar momentos de atividades em que os alunos estejam inseridos de modo participativo, que promovam interação e desenvolvam a criticidade destes. A escola deve também, desenvolver noções de cidadania, autonomia, responsabilidade para que os sujeitos que ali estão tenham clareza de seus direitos e deveres. No que se refere ao papel do professor no contexto atual, exige-se que este exerça a função de mediador, uma vez que pode possibilitar condições de participação do aluno em sala de aula Luckesi (1993, p.115) expressa que:

“[...] educador é aquele que, tendo adquirido o nível de cultura necessário para o desempenho de sua atividade, dá direção ao ensino e aprendizagem. Ele assume o papel de mediador entre a cultura elaborada, acumulada e em processo de acumulação da humanidade”.

Em relação ao aluno, Luckesi explica que (1993, p. 114) “[...] o educando é aquele que, participando do processo, aprende e se desenvolve,formando-se como sujeito ativo de sua história pessoal quanto como da história humana”. Desta forma compreende-se que o aluno é um sujeito capaz de interpretar, problematizar, dialogar, compreender e construir conhecimento. Assim se faz necessário que o educando participe ativamente em sala de aula, ou seja, que ele tenha um papel mais ativo e que não se limite a ser espectador do processo.

Nesta concepção viemos apresentar a nossa proposta de inserir os alunos na pesquisa científica, trabalho que desenvolvo com meu amigo Prof. Luiz Henrique Romário Alves, com o projeto "Educação Científica: Um Olhar para a Educação Básica", que temos divulgado no site www.imersaocientifica.com.br . Muitos são os temas que orientamos, ideias essas sugeridas pelos próprios alunos, com auxílio em certos momentos da professora. Foi nesse projeto que o projeto "Corredor Cultural Histórico e Comercial de Taubaté: Uma proposta a partir de seu Sítio Fundatário" surgiu. As alunas da EMEFM Emílio Amadei Beringhs, Marlene Miranda, da Rede Municipal de Taubaté estão em processo de estudos sobre a evolução urbana comercial do centro histórico da cidade, analisando as transformações e permanências do desenho urbano da zona de proteção histórica fundatária de Taubaté. Nesta mesma linha, um outro projeto da EMEF Pe. Dr. Prof. Ramon de Oliveira Ortiz, temos a pesquisa "A Iconografia de Anne Frank nos Estudos sobre o Holocausto Judeu".

É interessante ressaltar que os dois grupos estão trabalhando vários tipos de fontes e metodologias: orais, diário íntimo, cartografia, plantas de urbanização histórica, análise dos discurso, fotografias, vídeos, materialidade, pesquisa de campo. A partir disto podemos compreender o quanto estão se desenvolvendo de forma autônoma, produzindo, interpretando, analisando até chegar o resultado final das respostas de suas hipóteses levantadas na problematização de seus objetos. Com esta finalidade produziremos um Artigo Científico, ao longo dos próximos meses avaliando e anotando toda a evolução destes dois grupos e publicaremos em um evento e neste site o material, aguardem!

Fotografias da Pesquisa sobre o Corredor Cultural Histórico e Comercial de Taubaté

A proposta para o novo artigo é falar sobre a Educação Científica na prática, diferente do teórico que lancei no V Simpósio Internacional Eletrônico de História (CLIQUE AQUI). Vamos focar nas duas pesquisas aqui apresentadas e escrever sobre, apresentar as dificuldades, as reflexões trazidas pelas autoras dos projetos e todo o processo. Estamos caminhando para uma coletânea de artigos sobre a Imersão Científica, auxiliando cada vez mais para a práxis estudantil, na busca do protagonismo.

Anotações e resenhas das meninas que estão pesquisando sobre o Diário de Anne Frank, 9 Ano C da EMEF Pe. Prof. Dr. Ramon de Oliveira Ortiz.

Autoras do Projeto de Pesquisa sobre a Anne Frank - 9º Ano da EMEF Pe. Prof. Dr. Ramon de Oliveira Ortiz

Referências Bibliográficas

LUCKESI, Cipriano Carlos Filosofia da educação coleção magistério 2ºgrau. Série formação do professor. 21 Ed. São Paulo: Cortez, 1993

PÉREZ GÓMEZ. A. I. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução crítica do conhecimento e da experiência. In: SACRISTÁN, J. Gimeno. Compreender e transformar o ensino. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 1998